Os eventos

ESPAÇOS NO RIO

As coreografias, roupas e o pop alto ressonando pela Quinta da Boa Vista atraem a atenção de curiosos. Os que param para observar se perguntam do que se trata: apresentação de teatro e roda de rap são os chutes de pai e filho que, sentados em um dos bancos, observam o público de um encontro de fãs de K-Pop, gênero que carrega elementos de ambos os palpites e de tudo que pode agregar autenticidade.

Esses encontros acontecem há quase dez anos, mas entre 2017 e 2018 a frequência cresceu ao ponto de, em alguns meses, ocorrer semanalmente. Os menores eventos reúnem de dez a trinta pessoas, enquanto os maiores podem contar com a presença de mais de 200 fãs, de crianças a adultos.

A motivação para a criação desses eventos é simples: oferecer um espaço seguro e acessível para os fãs de K-Pop se reunirem e expressarem sem medo do estranhamento alheio. Algo que, até dois anos atrás, era raro. O número de presentes nos encontros surpreendem até mesmo os organizadores. Em pesquisa feita com realizadores desses eventos, apenas uma, entre oito equipes realizadoras, tinha uma dimensão de público próxima da real, todas as outras foram surpreendidas com a adesão de até mais de 100 pessoas em suas reuniões.


 

 

 

 



 

De acordo com os organizadores, o que mais atrai os K-Poppers para esses eventos é a oportunidade de interagir com pessoas que dividem do mesmo gosto e consumir nas lojas. O que se confirmou em formulário divulgado nas redes sociais, com a participação de 107 K-Poppers. Foi revelado que entre a principal prioridade do público alvo destes encontros é participar de competições de cover (67,4%), mas também entram na roda a compra artigos de K-Pop nas lojas, dançar e fazer amigos. Além disso, um dado que chama atenção é que 27,1% dos participantes da pesquisa não frequentam este tipo de evento, indicando que, mesmo com os altos números de ocorrência e frequentadores, ainda existe um público potencial que não foi atingido: concentrado principalmente nas redes sociais.

A faixa etária do público desses eventos é diversa, assim como os fãs de K-Pop no geral, mas basta uma ida à encontro de fãs para perceber que é dominado por adolescentes. Entre os participantes da pesquisa, o maior número está na casa dos 19 anos, 17,3%, seguido dos 21 e 23 anos, ambos contabilizando 9,6% dos participantes da pesquisa. Além desses, também encontramos crianças que, devido a pouca idade, não tiveram acesso aos meios de divulgação do questionário, e adultos de até 53 anos.

Para além da idade, outro ponto de diversidade encontrado nos eventos vem na forma física de seus frequentadores. Apesar de comumente identificados pelos cabelos coloridos - característica dividida por muitos dos fãs - as tão diferentes tonalidades de cabelo são apenas a ponta da pluralidade que se encontra entre esse público: o ambiente acolhe todas as cores, tamanhos, gêneros e orientações sexuais.

 

 



 

Mas não apenas de encontros em locais públicos se caracteriza as reuniões de K-Poppers. 75,7% do público afirmou em suas respostas a preferência por eventos gratuitos, mas o dado não impede o crescimento de outro segmento. De matinês a shows internacionais, os eventos fechados e pagos vem crescendo no Rio de Janeiro.

 

         
       Eventos fechados

O Hallyu Rio é exemplo dessa expansão no meio. O projeto teve início em 2015, se tornando o primeiro evento voltado exclusivamente para a cultura sul-coreana no Rio de Janeiro, com a proposta de acabar com a carência de informações e espaços voltados para o público K-Popper no estado. Apesar do sucesso da primeira (2015) e da segunda edição (2016), a realização do terceiro evento só foi possível em 2018. “O número de empresas que poderíamos pedir apoio era praticamente nulo”, explica Douglas Passos, um dos organizadores do evento, sobre o período inativo do projeto.

Esse estado só pode ser revertido diante do atual alcance do K-Pop no Rio: “tivemos apoios de organizações que surgiram após esse grande ‘Boom’ do entretenimento coreano no mercado musical. Tais como cursos de coreano, empresas voltadas para show, o primeiro restaurante de comida coreana do Rio de Janeiro e empresas de intercâmbio voltadas para o país asiático”, explica sobre a edição de 2018.

A terceira edição do Hallyu Rio aconteceu em julho de 2018, reunindo mais de 600 pessoas no Centro Cultural João Nogueira, popular Imperator do Méier. O evento contou com conferências sobre a cultura sul-coreana; entrevista com intercambistas; concursos de cover; estandes de lojas e apoiadores; e um espaço para a culinária coreana.


 




Tomando conta das noites e, algumas vezes, tarde, deste público, as festas de K-Pop também ganharam força em 2017, quando começaram a surgir diferentes nomes nas mais diversas casas de festas do Rio. Apesar da ocorrência de algumas festas noturnas de K-Pop entre 2011 e 2014, foi em 2015 que surgiu a primeira festa do gênero que ganhou uma ocorrência frequente, mas em formato de matinê. Isso porque, no momento, uma parte considerável do público era menor de idade. Acompanhando o amadurecimento desses fãs, não apenas a K-Now ganhou sua primeira edição noturna e para maiores, em 2017, como também foi neste ano em que esse tipo de festa tomou as noites cariocas. Chegaram ao cenário a itinerante All The K!, a KPlay e a Famøus, assim como festas que passaram a dedicar um momento do evento ou mesmo uma pista exclusiva para o pop coreano.

Apesar dos fãs que, após atingir os 18 anos, optaram por migrar para os eventos noturnos, o número de crianças e adolescentes também aumentou - o que permitiu que o número de matinês acompanhasse a crescente de seu público. Em 2017, as matinês mais frequentadas do Rio foram a K-Party, Asian Party e a tradicional K-Now. E enquanto as festas noturnas tem como atrativo principal a música, bebidas e a possibilidade de se divertir com os amigos sem muitas restrições, as matinês cariocas para K-Poppers parecem um pouco mais preocupadas em conquistar os mais jovens. É comum se deparar com estandes, concursos de cover e até mesmo a presença de algum influenciador digital popular no meio.

Em 2018 foram poucas as novas festas que surgiram, apontando para um ano de menor crescimento no número de festas e maior consolidação das existentes. De toda forma, não importando o horário ou idade, as festas cariocas de K-Pop continuam a atrair os fãs fiéis e sedentos para colocar em prática as coreografias ensaiadas.


 

          K-Idols no Rio

Desde 2011, anualmente, pelo menos um artista de K-Pop passou pelo Brasil, mas apenas em 2014 o Rio de Janeiro entrou pela primeira vez nas rotas das turnês, quando a cidade recebeu o festival Music Bank in Brazil. O evento trouxe a cantora Ailee, a banda CNBLUE, o quarteto de hip hop M.I.B e os boy groups B.A.P, MBLAQ, INFINITE e SHINee para única apresentação na atual Jeunesse Arena. Mas, apesar da surpreendente presença de fãs de países vizinhos, o retorno não foi suficiente para que a quantidade de shows no Brasil e no Rio aumentassem.


 


 

O “BOOM” de shows de K-Pop por aqui só  teve início a partir do momento em que as empresas notaram a crescente no número de fãs. Novamente, 2017 foi o início de tudo. Dos oito grupos que vieram ao Brasil no último ano, cinco passaram pelo Rio de Janeiro. Em 2018 já são 22 atrações sul-coreanas que vieram ao Brasil, entre as quais sete passaram pelo Rio.

“Decidimos insistir no público carioca após vários eventos de sucesso produzidos no Rio de Janeiro. Todos os fansigns [sessão de autógrafos] que aconteceram no Rio tiveram sold-out”, afirma Lucas, da equipe de relacionamento da produtora Highway Star. Ele contou também os prós e contras para a realização desses eventos no Rio, revelando que ambos têm um denominador comum: o perfil turístico da cidade. “Todos adoram o Rio de Janeiro! Sempre que os artistas chegam na cidade maravilhosa ficam impressionados com a exuberância”. Apesar de encantar artistas e empresas, “por ser uma cidade turística, alguns custos no Rio de Janeiro são mais caros, como hotelaria e transporte”.

Nas pesquisas da produtora, os K-Poppers cariocas vem mostrando seu potencial com números próximos aos de São Paulo, cidade com a maior ocorrência de eventos com a presença de idols.

Com agenda aberta para 2019, a comunidade carioca pode esperar por novidades.

Random Play Dance durante a terceira edição do K-World

Random Play Dance durante a terceira edição do K-World

Random Play Dance durante a terceira edição do K-World

Random Play Dance durante a terceira edição do K-World

1/4

K-Popper durante a 3ª edição do K-World

Brincadeira durante evento

K-Popper durante a 3ª edição do K-World

1/2

Festa FAMØUS + K-NOW © Olivetti @ I Hate Flash

Festa FAMØUS + K-NOW © Olivetti @ I Hate Flash

1/1

Show do K.A.R.D. no Rio de Janeiro. Produção Highway Star © K4US

Jiwoo durante show do K.A.R.D. no Rio

Show do K.A.R.D. no Rio de Janeiro. Produção Highway Star © K4US

1/2